O abandono de pets pode aumentar com o fim do isolamento?
O abandono de pets pode aumentar com o fim do isolamento?
3 de agosto de 2020
Modelos de escadinha para cachorro
Modelos de escadinha para cachorro
3 de agosto de 2020

Cuidados básicos com seu cachorro de dois meses

Cuidados básicos com seu cachorro de dois meses

Fala sério, filhotes de cachorro deveriam ser considerados a oitava maravilha do Mundo, não é mesmo? É difícil não se encantar por um cãozinho que nasceu há poucas semanas e ainda está em fase de entendimento sobre o seu novo universo. Esse momento considerado mágico é onde eles mais precisam da gente para crescerem e se tornarem cães íntegros.

Um cachorro com aproximadamente dois meses de idade está na fase mais importante da vida, onde ele está totalmente independente da mãe biológica (por já não ser mais amamentado) e pronto para conhecer o Mundo. É nesse período onde ele aprende com mais facilidade o que é certo e o que é errado. Por isso, devemos seguir algumas recomendações.

Cuidados básicos com seu cachorro de dois meses

Medo

Seu filhote tem muito medo de pessoas estranhas ou animais? Saiba que isso é completamente comum, afinal, ele acabou de chegar ao Mundo e ainda não compreende o que é ofensivo ou não. Logo, cabe a você mostrá-lo que humanos e outros pets não fazem nenhum tipo de mal, muito pelo contrário.

Socialização

O período entre quatro e 14 semanas de vida é o ideal para apresentá-lo a coisas que farão parte da sua rotina para o resto da sua vida. Agir de forma positiva diante de pessoas, pets, sons, ambientes e situações novas é fundamental para que ele não tenha receio de interações no futuro.

Vale dizer que esse é o momento mais sensível na vida dos pets. Uma experiência negativa certamente trará algum comportamento inadequado que será custoso de reparar quando atingirem a fase adulta. Por isso, é o período mais indicado para que sejam socializados. (Saiba mais sobre a socialização de filhotes)

Mordida

Filhotes adoram sair mordendo tudo por aí, seja um móvel, objeto e até as mãos de quem está tentando acariciá-los. Normalmente, eles aprendem a inibir a mordida quando estão juntos aos seus irmãos, mas é normal que ainda estejam mordiscando tudo por aí com dois meses de vida ou mais, pois a boca/ mordida não serve somente para socialização, mas também causa incômodo quando estão trocando os dentes.

Mesmo sendo normal, não quer dizer que esse comportamento é correto ou que não há nada a se fazer. Os pais humanos devem ensinar que objetos e pessoas não devem ser mordidos ou roídos. É aí que entram os brinquedos: eles são fundamentais para conter essa vontade constante deles. Os mordedores, como a Escova Pet Games, por exemplo, são ótimas opções para o entretenimento de um filhote, e ainda auxilia na higiene oral dele.

Ambiente

Filhotes adoram sair por aí explorando o mundo que os cerca usando seus sentidos de visão, olfato, audição e degustação, o que pode ser perigoso caso não hajam alguns cuidados e supervisão. O ambiente onde o pet fica deve ser livre de objetos que possam ser mastigados e engolidos e longe de escadas ou grades em que ele possa prender a cabeça, por exemplo.

Diversão

Lá vem os brinquedos novamente: é impossível não citá-los quando falamos sobre filhotes, afinal, qual criança vive sem brinquedos? Além de auxiliar na questão das mordidas, eles são extremamente úteis para estimulá-los mental e fisicamente. O Brinquedo Pet Games Damas, disponível aqui na Petlove, é uma boa pedida, pois incita a procurar os alimentos escondidos dentro dos copinhos de uma maneira divertida e interativa, incentivando a coordenação motora, a concentração e o raciocínio do peludinho que ainda está em formação.

Cuidado com o excesso de proteção

O erro mais comum na criação de um filhote acontece quando ele sente medo de algo ou alguém e o humano o pega no colo na tentativa de acalmá-lo. Sabemos que é dificílimo, mas é preciso resistir, pois ele certamente entenderá que sentir medo é normal e que sempre será acolhido em situações classificadas como perigosas por ele.

Todos nós sabemos que os pais querem proteger os filhos de quatro patas de casos que eles aparentam sentir pavor. Mas é preciso dosar esse “instinto maternal” e entender que o excesso pode ocasionar certos comportamentos indesejados no futuro.

Fonte do artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *